Estética

BICHECTOMIA / LIPECTOMIA JUGAL

Nunca Xavier Bichat, anatomista francês do século XIII e percussor da histologia, pensou que aquelas “bolsas” ou “bolas” de gordura encapsuladas que descreveu, situadas  nas bochechas, pudessem vir a ser  protagonistas de algum tipo de "moda cirúrgica". E certamente ficaria exasperado se visse o seu nome ser meio adulterado para designar algum tipo de procedimento cirúrgico envolvendo as suas, agora, famigeradas “bolas”.

A “bichectomia”, “bichatectomia” ou LIPECTOMIA JUGAL (designação médica) é a remoção cirúrgica, por dissecção, das bolsas adiposas da região jugal (bochecha).

Se por um lado, a curiosidade vai no sentido de saber tudo o que envolve o procedimento cirúrgico e os seus benefícios, por outro, é bom saber qual o papel das bolsas adiposas de Bichat no organismo humano. Será que a natureza criou estruturas que não servem para nada?

 

É-lhes atribuído um papel na amamentação, funcionando, durante a sucção, como parte do sistema anticolapso da bochecha do bébé. A partir daí não se lhes reconhece qualquer função. No entanto a sua utilidade é manifesta, quando a elas recorremos para encerrar orifícios de comunicação entre a cavidade bocal e os seios maxilares, a maior parte das vezes, sequelas de extrações dentárias. Aproveitando a sua estratégica posição e o facto de serem confinadas por uma espécie de cápsula laxa que permite o seu estiramento, mantendo a estrutura inteira e pediculada, elas podem ser distendidas até ao local a encerrar mantendo a sua circulação sanguínea. Esta sua importante função de "remendo" (patch) é cada vez mais aproveitada em cirurgia reparadora bucal. Por outro lado, o seu envolvimento patológico é muito raro. Foram descritos lipomas. 

Depois de um pormenorizado diagnóstico, a cirurgia de remoção está indicada, nos casos selecionados, para amenizar ou corrigir a incómoda saliência das bochechas, tornando a face mais fina e ovalada. É, desde há muito, por nós usada sempre que diminuimos a altura um rosto com cirurgia ortognática e prevemos que alargará demasiado. 

 

O efeito mais marcado é o aparecimento e demarcação do triângulo jugal, depressão suave logo abaixo da eminência malar-zigomática, com vértice na intersecção do masséter com o zigoma e base larga no suco lábio geniano, e que enfatiza o que há de melhor na estética de um rosto - os desejados contornos, as suaves depressões, as peculiares luminosidades, os traços e as linhas que definem uma boa estética facial.

A cirurgia, realiza-se por via intra-oral, sob anestesia local, com uma incisão de 5 mm na região jugal, com mínima dissecção para evitar o traumatismo cirúrgico e danos de estruturas nobres da região, em particular o ramo bucal do nervo facial. A remoção deve ser de volumes iguais e a sutura com pontos reabsorvíveis. Só deve ser executada por cirurgiões. E experientes.

 

O pós operatório é tranquilo. Devem-se seguir as recomendações habituais.

 

A cirurgia não impede a actividade física moderada. De início, recomendam-se caminhadas progressivas a partir do 2º dia.

 

O "período invisível", devido ao edema residual, depende das actividades profissionais sendo, em média, de 10 dias. 

 

Quem são os candidatos a cirurgia

 Perfil dos candidatos

  • Insatisfação devida à percepção de ter um rosto excessivamente volumoso 

  • Rosto redondo e grosseiro com bochechas muito cheias

  • Percepção da ineficácia da perda de peso corporal, por dieta, no volume das bochechas

  • Importante repercussão sobre a autoestima

  • Insegurança 

 

A partir de que idade se pode operar 

Timing cirúrgico

  • Na adolescência, a partir dos 16 anos, altura em que, em situações normais, todas as estruturas faciais terminaram de crescer

  • Quando o paciente necessita de cirurgia ortognática, por apresentar uma deformidade dentofacial, o efeito da lipectomia jugal simultânea pode ser particularmente benéfico quando está prevista a diminuição da altura da face cujo efeito perverso dará ao rosto uma indesejável aparência mais redonda e larga

 

Quem não deve fazer 

Contra-Indicações

  • Indivíduos com recuo mandibular que apresentem redundância jugal excessiva. O tratamento deverá ser o avanço mandibular cirúrgico.

  • Quando num dos lados do triângulo jugal, acima descrito, existir um volume exagerado, a lipectomia é contraproducente. Falamos, obviamente, de situações de hipertrofia dos músculos masseteres ou de malares bastante proeminentes. Nas duas situações, a lipectomia jugal terá um efeito potenciador do problema.

  • Proeminência exagerada da região malar, quase sempre iatrogénica, resultado de intervenções anteriores - implantes malares, bioplastia. A lipectomia jugal vai potenciar o resultado negativo.

  • A hipertofia do músculo masséter provoca alargamento do rosto na região dos ângulos da mandíbula. Trata-se com cirurgia específica.