Estética

Cirurgia Estética da Face - Ritidectomia

Espelho das nossas emoções e testemunha da nossa personalidade, o rosto carrega consigo igualmente os estigmas dos tempos. Sob o peso dos anos, da hereditariedade e das agressões da vida moderna também os tecidos de revestimento da face se curvam. A pele perde o seu brilho e a sua firmeza  dando lugar às rugas e à flacidez.

 

Actualmente a medicina estética e a cosmetologia têm muitos recursos no controlo das rugas faciais utilizando produtos cosméticos, os preenchimentos, a toxina botulínica e os peelings.

 

Contudo, estas medidas clínicas não têm um resultado satisfatório no tratamento das rugas profundas e da flacidez da pele e dos músculos da face e do pescoço.

 

O que é um lifting ?

 

Tal como a designação inglesa indica, proceder a um lifting é elevar ou suspender cirurgicamente os tecidos moles de revestimento da face e do pescoço. Para tal, é necessário proceder ao estiramento destes tecidos, remover excessos e voltar a fixá-los em apropriados pontos de ancoragem. Em cirurgia facial, lifting é sinónimo de ritidectomia.

 

Sujeitar-se a um lifting é uma decisão pessoal, normalmente justificada pelas necessidades, exigências e objectivos pessoais e pela insatisfação resultante do aparecimento de marcados sinais de envelhecimento facial – a perda da forma oval do rosto, a flacidez dos tecidos moles, a redundância submentoniana (papada), o aprofundamento das rugas e dos sulcos nasogenianos, a perda de projecção das maçãs do rosto e o aparente alongamento da face, não melhoráveis com o recurso à toxina botulínica, aos métodos de preenchimento ou aos abrasivos (peelings).

 

O rosto é uma das partes do corpo mais atingidas pelo envelhecimento precoce, facto que se deve à exposição a agressões pelo meio ambiente. A exposição ao sol é responsável por 90% dos sinais de envelhecimento precoce da face. Outros factores que podem contribuir são: uma dieta desiquilibrada, o álcoól, o tabaco, a obesidade e também os factores hereditários.

Com o avançar da idade surgem sinais de perda de tónus da pele e dos músculos da face e do pescoço. Embora estejam disponíveis actualmente meios de preservar, atenuar ou camuflar os sinais precoces de envelhecimento facial, a flacidez progressiva dos tecidos de revestimento do esqueleto facial (a pele, o tecidos celular subcutâneo, os músculos e as aponevroses) é um processo biológico normal.

 

O lifting não detém o processo natural de envelhecimento mas, ao atenuar ou remover aqueles que são os sinais exteriores do mesmo, atinge o seu objectivo primário que é promover o rejuvenescimento cervicofacial.

Normalmente o lifting practica-se em adultos maiores de 40 anos, mas a variabilidade individual, biológica e comportamental e certas condições patológicas (cútis laxa, miastenia, etc.) levam a que muitas vezes tenha de ser executado mais precocemente.

 

O lifting pode executar-se isoladamente ou em associação com outros procedimentos, nomeadamente a blefaroplastia (cirurgia palpebral), a relissage da pele peribucal com laser, a dermoabrasão ou peeling e a rinoplastia.

 

Quais são os diferentes tipos de liftings?

 

Consoante a região anatómica envolvida assim se designam os diferentes liftings:

 

- O lifting cervicofacial abrange a parte média e inferior do rosto e o pescoço. É o mais praticado. É utilizado para corrigir a flacidez da pele da face e do pescoço, os sulcos profundos nasogenianos, os triângulos de flacidez das maçãs do rosto e a queda da pele sob a mandíbula.

 

- O lifting temporal inclui a região temporal anterior e eleva os ângulos externos das pálpebras.

 

- O lifting frontal  compreende toda a região frontal e a região entre as pálpebras. Destina-se a remover rugas horizontais e verticais da testa e a elevar as sobrancelhas. Tem sido reservado para os casos mais avançados , porque a toxina botulínica tem apresentado resultados muito bons para os casos mais leves.

 

Os liftings diferenciam-se ainda pela "profundidade" a que são praticados:

 

- O lifting subcutâneo só toca a pele. Não tem qualquer acção sobre os planos profundos. O procedimento é mais rápido e, por isso, envolve menos riscos para o paciente. Está indicado em pessoas muito idosas em que o problema principal é o excesso de pele.

 

- O lifting submuscular que trata também o componente músculo-aponevrótico que participa na flacidez.

 

- O mask lift ou lifting profundo que é praticado a nível rasante ao osso e que pode modificar a fisionomia, alterando o “eixo dos olhos” e a forma das maçãs do rosto.

 

Como se executa um lifting?

 

Dependendo da extensão do procedimento e das preferências do paciente e do cirurgião, a intervenção practica-se, sob anestesia local com sedação profunda (neuroleptoanalgesia) ou sob anestesia geral.

 

Com anestesia local, o paciente estará acordado durante a cirurgia, sedado, relaxado e insensível à dor. Com anestesia geral, dormirá durante a operação. Nos dois procedimentos será necessário o recurso a um médico anestesista.

 

A CIRURGIA

 

Um Lifting da face pode durar várias horas de intervenção se se prefere fazer tudo em um só acto. Em casos especiais, se o procedimento se prolonga muito, pode-se optar por realizá-lo em duas etapas.

 

LIFTING CERVICO-FACIAL

 

O lifting cervico-facial tem por objectivo corrigir a flacidez dos tecidos do rosto e do pescoço e restaurar a forma oval da face. As etapas essenciais do lifting são:

 

- Restaurar a tensão dos planos musculares para redefinir o ângulo cervico-facial e atenuar os sulcos naso-genianos.

 

- Remover a pele excedente, sem tensão, garantindo um resultado natural e cicatrizes discretas.

 

- A lipoaspiração submentoniana da papada ou do duplo-queixo, que permite obter uma melhor definição do pescoço e da forma oval do rosto ou, ao contrário, o preenchimento de zonas deprimidas, com défice de volume.

 

A incisão inicia-se no couro cabeludo, por dentro da faixa de cabelo, acima da orelha,

extendendo-se para baixo, contornando toda a parte anterior da orelha e continuando

para a região posterior, até o terço médio do pavilhão auricular, altura em que entra

novamente no couro cabeludo.

 

Através desta incisão, retiram-se os excessos de pele, estiram-se os músculos, e

aspira-se a gordura infra-mandibular em excesso.

 

O trabalho principal efectua-se debaixo da pele, nos músculos, tecido fibroso e

gordura que são estirados e fixados numa nova posição. Quando a pele é recolocada

é necessário dar-lhe uma direcção e uma tensão que obtenham um resultado o mais

natural possível.

 

As incisões que utilizam os cabelos e a orelha como locais de disfarce ficam pouco aparentes.

 

A intervenção dura cerca de 2 a 4 horas.

 

O Lifting pode combinar-se com outras cirurgias como a Blefaroplastia (eliminação das bolsas dos olhos) ou a Rinoplastia (correcção do nariz) dependendo de características próprias do paciente e do problema a solucionar.

 

LIFTING FRONTAL

 

O recurso a métodos video-endoscópicos permite o acesso às regiões a operar através de pequenas incisões, já que a visualização do campo operatório se faz directamente no ecrã do monitor. São feitas 3 pequenas incisões no alto da testa, já na região do couro cabeludo. Por estas incisões se tem acesso endoscópico aos músculos que são tratados e estirados em conjunto com a pele e fixados através de suturas especiais a dispositivos de ancoragem, reabsorvíveis, fixados no crâneo.

 

A intervenção dura cerca de 1 hora.

 

O objectivo cirúrgico é rejuvenescer a face recorrendo a incisões mínimas

 

Convalescença - Quanto tempo até ficar “visível”?

 

Normalmente o paciente não costuma sentir-se muito incomodado depois do lifting.

 

O internamento dura em média 24 horas. Uma recuperação normal deve permitir ao paciente retomar a sua actividade profissional ao fim de 12 dias podendo  as senhoras utilizar uma maquilhagem ligeira.

 

No final da cirurgia pode haver necessidade de colocar um pequeno tubo de drenagem debaixo da pele, por detrás da orelha, para drenar uma pequena quantidade de sangue que pode acumular-se neste lugar.

 

Para evitar os edemas acentuados e os hematomas colocam-se umas ligaduras elásticas moderadamente compressivas à volta da cabeça que são removidas após 24 horas.

 

Os cabelos podem ser lavados antes da saida do hospital.

 

Nas primeiras 48 horas após a cirurgia o paciente sentirá desconforto. Sentirá o rosto inchado e moderadamente doloroso, sintomas controlados com o uso de medicamentos apropriados.

 

Durante 10 dias o rosto estará ligeiramente edemaciado, estirado, com sensação de adormecimento, podendo apresentar algumas equimoses. Estes sinais e sintomas desaparecerão progressivamente nas semanas seguintes sem interferir negativamente na vida social do paciente.

 

Os pensos serão removidos entre o 1º e o 5º dia. As cicatrizes devem ser desinfectadas até à remoção dos pontos. A maior parte dos pontos de sutura serão removidos nos primeiros 5 dias. Os pontos ou agrafes situados no couro cabeludo, atrás das orelhas, são deixados por mais dias porque a zona pode tardar mais a cicatrizar.

 

Após a remoção dos pontos as cicatrizes devem ser protegidas do sol.

 

As actividades físicas deverão ser evitadas por 3 a 4 semanas.

 

A expressão facial natural só aparecerá a partir do 2º mês. Só ao fim de 4 meses se poderá apreciar o resultado completo de um lifting.

 

De início, as características faciais podem estar alteradas pelo edema, os movimentos faciais podem estar levemente dificultados e as cicatrizes mais perceptíveis. Ter a consciência que estas alterações são normais e transitórias, impede que alguns pacientes fiquem decepcionados e eventualmente deprimidos no pós-operatório.

 

Posso expor o meu rosto ao sol?

 

O sol é o maior inimigo da pele. Não é aconselhável fazer um lifting em pleno verão para não expor precocemente as cicatrizes ao sol. Após algumas semanas (4) poderá recorrer ao uso correcto de um creme protector solar.

 

Quais são os riscos e as complicações de um lifting?

 

Todo o tipo de intervenção cirúrgica deve ser executado por um cirurgião qualificado e experiente.

 

Quando tal acontece as complicações são raras e menores. No entanto temos sempre presente a possibilidade de existirem riscos operatórios, uns, gerais, inerentes a qualquer tipo de cirurgia (hematomas, infecção ou complicações anestésicas) e outros, particulares, associados a procedimentos específicos. No lifting as complicações são raras.

 

A complicação mais frequente é a formação de um hematoma (cerca de 3 % dos casos operados) dos quais só 0,5% necessitam de drenagem cirúrgica. As infecções são raríssimas e tratam-se com antibióticos.

 

As cicatrizes existirão sempre mas devem ser imperceptíveis. Por isso o cirurgião tem o cuidado de as dissimular junto às orelhas e em regiões onde exista cabelo.

 

Podem ocorrer pequenos problemas de cicatrização, em particular em pacientes com pele fina, expostas ao sol e em fumadores. As cicatrizes hipertróficas podem ocorrer, em particular na região retro-auricular. A hipertrofia é quase sempre transitória.

 

A diminuição da sensibilidade da pele pré-auricular, devida ao descolamento cirúrgico, é natural, frequente e transitória. As lesões nervosas persistentes são muito raras já que o trajecto dos nervos se encontra num plano mais profundo que o plano do lifting.

 

Pode-se diminuir a incidência de riscos cumprindo escrupulosamente as orientações do cirurgião.

 

Quanto tempo “dura” um lifting?

 

Dependendo da idade em que se practica e tendo em conta que quanto mais tardio maior diferença fará na aparência, aceita-se que o lifting permita um rejuvenescimento facial de cerca de 10 anos, não devendo modificar a expressão do rosto, mantendo-o natural.

 

A face continuará o seu natural processo de envelhecimento mas com 10 anos de diferença em relação à idade real. Depois de um lifting, não se envelhece nem mais rapidamente, nem mais lentamente. A manutenção de uma boa aparência dependerá da qualidade da pele e da higiene de vida de cada um. É imperativo não fumar, proteger-se da acção nefasta do sol, e cuidar da pele, para prolongar os benefícios da intervenção, sem ignorar que é sempre possível voltar a realizar um novo lifting.

 

RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS

 

Durante as consultas o cirurgião dará orientações em relação à alimentação, consumo de bebidas, tabaco, exposição solar, medicamentos e certas vitaminas a evitar. Siga cuidadosamente as instruções que ajudarão a sua cirurgia a correr menos riscos. Para que um eficiente prepararo seja realizado deve consultar a clínica com a devida antecedência da data em que pretende a cirurgia.

 

Os dias de afastamento socio-profissional devem ser considerados durante a consulta médica. O número de dias dependerá do tipo de procedimento. Deverá de ser acompanhado na alta da Clínica e deverá ter companhia em casa durante 48 horas.

 

A Clínica da Face integra um complexo hospitalar que dispõe dos meios clínicos, cirúrgicos e tecnológicos de segurança necessários a qualquer tipo de cirurgia, o que transmite maior conforto e segurança ao cirurgião, paciente e familiares.

 

  • Se toma medicação que altera a coagulação avise com antecedência o cirurgião.Não tome aspirina ou similares e vitamina E nas 2 semanas anteriores à operação.

  • Evite a exposição solar intensa nas 6 semanas antes da cirurgia.

  • Se fuma, deve evitar fazê-lo pelo menos 2 a 3 semanas antes da cirurgia.

  • Não se constipe nas vésperas da operação. Qualquer anormalidade que ocorra no seu estado de saúde deve ser comunicada, mesmo as consideradas mais simples, como gripes ou pequenas infecções de pele na área em que será realizada a cirurgia.

  • Se normalmente pinta o cabelo é preferível fazê-lo antes da intervenção para não correr o risco de tatuar as cicatrizes.

  • Faça uma refeição ligeira na véspera da intervenção. Não coma alimentos de digestão difícil (fibras e vegetais). Não ingira álcool.

  • Não coma nem beba nada após a meia-noite, se vai ser operado na manhã seguinte. O seu jejum deve ser no mínimo de 8 horas.

  • Se está a tomar medicação inadiável e imprescindível ingira-a só com um gole de água na manhâ da intervenção. Dê conhecimento ao anestesista.

  • Na manhã da cirurgia tome o seu banho completo. Lave bem a face e o cabelo. Não aplique cosméticos na face.

  • Leve para a cirurgia roupas largas e fáceis de vestir.

 

RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

 

  • - Qualquer dúvida deve ser comunicada ao cirurgião.

  • - Tome a medicação recomendada.

  • - Ao deitar, mantenha a cabeça elevada com duas almofadas durante duas semanas.

  • - Pode lavar a cabeça no 2º dia após a alta.

  • - Aplique gelo nas pálpebras e no rosto nas primeiras 24 horas.

  • - Após a cirurgia, não use lentes de contacto durante 2 dias.

  • - Proteja-se da claridade e do vento usando óculos escuros. Nas senhoras, um lenço nos cabelos poderá deixá-la      mais à vontade.

  • - Não se exponha ao sol durante 2 semanas.

  • - Nas primeiras 24 horas dieta líquida, seguida de dieta mole no 2º dia.

  • - Exercícios físicos moderados só 1 semana depois de remover os pontos de sutura.

  • - Mantenha as feridas operatórias limpas. Pode usar água oxigenada para a limpeza.

 

Os melhores candidatos ao Lifting são individuos fisicamente saudáveis, psicologicamente estáveis, realistas nas suas espectativas, que aceitam com naturalidade os processos biológicos de envelhecimento, mas procuram melhorar o seu aspecto facial  não esperando resultados impossíveis da cirurgia.

 

Estas informações permitem compreender as generalidades dos procedimentos, mas não substituem a consulta médica que deve ser o início de qualquer tratamento médico.

A. Matos da Fonseca

Médico | Cirurgião Maxilofacial

Director da Clínica da Face

Lisboa - Portugal